A Saudade Portuguesa: uma viagem gastronómica

No âmbito do seu 25º aniversário, a Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril apresentou a 10 de Maio uma viagem gastronómica sem precedentes. Os alunos do Mestrado em Inovação em Artes Culinárias, juntamente com uma equipa multidisciplinar, prepararam uma odisseia de sabores com raízes na gastronomia tradicional portuguesa.

Esta viagem, nomeada de “A Saudade Portuguesa”, reflete uma experiência que envolveu diversas áreas do conhecimento com um mesmo objetivo: proporcionar aos convidados uma viagem única onde se reinterpretasse a gastronomia portuguesa, num cruzamento de saberes e sabores, mantendo a sua identidade.

IMG_2377

Foram sabores que deliciaram o palato, tal como um poema deleita o ouvido, numa harmonia ponderada e desafiante, pois “A Saudade Portuguesa” pretendeu ser uma odisseia de sabores, texturas, cores e aromas. A viagem foi apresentada a um grupo de 12 comensais, reconhecidos pelo seu mérito profissional, pelo respeito que têm pela gastronomia portuguesa e por representarem áreas essenciais à experiência – desde a academia até à restauração e indústria, passando pela crítica gastronómica, pelo design e pelas artes.1

Os convidados da viagem gastronómica “A Saudade Portuguesa”Carlos Carreiras – Presidente do Conselho Geral da ESHTE – representado pela vereadora Paula Gomes da Silva; Raúl Filipe – Presidente da ESHTE; João pardal Monteiro – Presidente da Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa; Paulo Farmhouse Alberto – Director da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa; Conceição Loureiro – Coordenação do colégio da Universidade de Lisboa – Food, Farming and Forestry; Paulo Mendonça – Vice-presidente da AHRESP; Eunice Van Deste – SPAL; João Rodrigues – Chef do Feitoria (Altis Belém); Virgílio Gomes – crítico gastronómico; Alexandra Prado Coelho – jornalista Público; Rita Filipe – designer e responsável pelos projectos das louças da parceria com a Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa; Maria José Pires – Coordenadora do Mestrado em Inovação em Artes Culinárias da ESHTE.

A inovação centrou-se nas reinterpretações de sabores tradicionais que alimentam a memória do povo português e em dez momentos distintos invocou-se um passado com sabores únicos num desafio que criou expectativas e quis surpreender com os componentes e as técnicas utilizadas. Sem nunca esquecer a sustentabilidade do projeto, e a importância das leguminosas enquanto alimento celebrado pela ONU em 2016 e tema privilegiado pelo MIAC, pretendeu-se despertar consciências.

_1140684

A sintonia com que se projectaram o menu, a narrativa, a composição musical e o espaço valorizou as nossas raízes e os nossos produtos, iniciando esta viagem em terra com produtos portugueses como o melão ou o presunto serrano. Passaram ao mar, ainda com a carne de porco e a amêijoa, e já em alto mar, ao sabor das ondas, avistaram uma ilha, numa referência aos nossos descobrimentos. Com sabores mais ou menos conhecidos fizeram a passagem do mar para terra com o feijão-verde e os legumes do mar.

Numa referência à forma como os portugueses absorveram o que as outras culturas têm de melhor e polinizaram sabores pelo mundo, deu-se o regresso a alto mar acompanhado pelo bacalhau, fiel amigo de longa data. A viagem foi longa, com a descoberta de novos mundos, sabores, cores e texturas, mas numa valorização do nacional, os comensais foram levados até ao bosque numa aventura denominada “Passeio no bosque”, com uma peça de caça, legumes e terra comestível. Para o final do repasto, procurou-se na tradição portuguesa a sabedoria das mães e avós e os segredos dos conventos, tendo sido proposta aos nossos convidados uma visita à serra da Estrela com o Requeijao de Seia e ao Algarve com o mel de laranjeira, seguida de um reviver de receitas centenárias como a do arroz doce ou do pudim abade de priscos. Finalizou-se com a apresentação de petit fours que perspectivaram outras criações inovadoras únicas – os projectos anuais dos alunos do MIAC aqui apresentados em cerâmica original desenhada pelos alunos de Design de Produto da Faculdade de Arquitetura, à semelhança dos restantes momentos descritos.

Com o empenho de parceiros e patrocinadores nacionais de sucesso reconhecido pela forma como aliam a tradição à inovação2 criaram-se sentimentos, memórias e ideias que levaram os nossos convidados a viajar no tempo; um tempo recriado num espaço de harmonia entre as artes culinárias, a literatura, a música e as artes visuais. Alimentaram-se os sentidos numa narrativa de sabores e formas, inspirada por um diálogo múltiplo numa mesa única, onde se criaram jogos de sedução acompanhados por uma contadora de histórias…

Adega Mãe, Bísaro, Câmara Municipal de Oeiras, Câmara Municipal de Cascais, Cencal, Corticeira Amorim | Wicanders, Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa, Fluor Studio Design Advisors, Imppacto, MicroGreens, Quinta à Mesa, Quinta do Pinto, Riberalves, SPAL e Turismo de Portugal.

 

www.saudadeportuguesa.pt
www.miac20152016.wordpress.com
www.facebook.com/mestradoartesculinarias

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s